sábado, 17 de novembro de 2007

Rapidinhas


Por Odisseu Kapyn

Do maiô pro sungão

Rebeca Gusmão disse que produz essas enormes quantidades de testosterona por conta própria, sem ajuda de drogas. Declarou que seu doping é natural. Olha, não acho nada natural produzir esse índice másculo de hormônio. Acho que tem algo errado no corpo da nadadora. Ela devia então era ter competido no Parapan. Sério mesmo. Se vocês repararem nas fotos da época do Pan, não tinha de estranho só o lance dos muques e dos peitorais que ofuscavam bustorais. Ela aparecia com uns problemas de pele no rosto também. Acho que não soube escolher direito a loção pós-barba. Vou parar de chamar a nadadora de Rebeca. Pra mim, agora é Gusmão.

Encestando fundo

O técnico do Los Angeles Lakers, Phil Jackson, após a derrota para o San Antonio Spurs, mandou uma piadinha numa declaração à imprensa, ao fim da derrota de seu time. Disse o sujeito: “Chamamos isso um jogo ao estilo ‘Brokeback Mountain’, porque tem muita penetração e arremesso. Este foi um daqueles jogos!. Para os ‘insensíveis’ que não sabem o que é ‘Brokeback Mountain’, trata-se de um filme americano no qual dois caubóis brincam de montar e desenvolvem um relacionamento homossexual. A piada do cara foi boa, pois o San Antonio é do Texas, terra de caubóis. Mas a NBA teve que se ajoelhar diante da ditadura do politicamente correto e pediu explicações aos Lakers. Mas vejam a frase do técnico ao se desculpar pela declaração: “Olhando para trás, não foi engraçado”. Grande Phil. Não perde a piada nunca.

Acosta e acabeça

O jogador uruguaio Acosta, que joga pelo Náutico, quase foi comer gramado pela raiz depois de um acidente de trânsito. Foi mais uma vítima de um entrada de carrinho, no caso, de uma entrada num poste. Ele foi socorrido e levou 11 pontos na cabeça, tendo leve traumatismo craniano. Os danos mais graves foram no ouvido. Acosta estava voltando de um pagode.

Nova meta

O goleiro Roger, do Botafogo, declarou que pretende se dedicar à política no ano que vem, ao se aposentar. Quer se candidatar a vereador em sua terra natal, Cantagalo. Faz sentido. É normal o cara ficar famoso num lugar e voltar pra cidade do interior, onde se torna uma celebridade. O cara engole uns frangos aqui e canta de galo lá.

Na margem do Brasil 2014 eu sentei e chorei

Ficou claro para todos que só ganhamos o direito a ser sede da Copa do Mundo de 2014 graças à presença de Paulo Coelho na cerimônia. Só mostrando ao mundo que temos um mago disposto a nos ajudar é que convencemos todos que vamos conseguir construir todos os estádios até lá.

Esportes que não são

Continuando a série da desmitificação esportiva, serei breve ao explicar por que o tênis de mesa não é um esporte. O motivo é simples: coerência. Pra começar, vamos dar o verdadeiro nome à prática: é pingue-pongue. Na verdade, o pingue-pongue é apenas uma versão miniaturizada (daí o sucesso de alguns japoneses) do tênis. Se pingue-pongue é esporte, então o futebol de botão também é. Ora, ambos levam para a mesinha os princípios de um esporte de verdade. Vamos logo começar a campanha para levar o botão para as Olimpíadas. Há muito trabalho a ser feito, pois o Comitê Organizador do RIO 2007 falhou vergonhosamente ao não mostrar o futebol de mesa como esporte de demonstração. Mas tem que ser com dadinho.

Odisseu Kapyn dá as costas para filmes de caubóis. Ganhou fama no Cocadaboa. Hoje, escreve na Revista M... e no blog Humor Marrom, e faz comédia stand-up com o grupo Ponto Cômicos na Casa da Piada, em Copacabana, e na Taverna Greenman, em Botafogo.
Faz suas gracinhas aqui aos domingos
.

Um comentário:

Fernando disse...

Muito bom!

Rio 2016! Campanha pró-botão!

Concordo com você! Se já temos ping-pong e peteca, o futebol de botão também merece uma vaga!

Se bem que, esse negócio de ter dado para botão pode pegar mal! Além de ter que pegar na paleta.